quarta-feira, 15 de abril de 2015

Alimentação: tanto que havia a dizer...

Estou absolutamente convencida de que uma maneira de nos mantermos saudáveis é manter-nos felizes, bem resolvidos, com níveis de stress e de ansiedade razoáveis, com animo e ilusão, com uma atitude positiva; alimentar-nos convenientemente e consumir poucas porcarias; fazer exercício físico e não definhar no sofá.
Mas esta onda de alimentação correcta, de comer saudável, este, já fundamentalismo, dos alimentos sãos, já me enlouquece! Porquê, não sabiam como é que se faz uma alimentação correcta? Não sabem que alimentos nos convéem e quais devemos evitar? Detesto gente que não sabe comer, detesto gente que não sabe distinguir o que é saudável do que é purga, distinguir o que nos faz bem, do que é veneno, parece coisa de baixa-renda, de bairro social: beber Ice Tea a pensar que não faz mal porque é chá; comer cereais dos miúdos, porque se são para miúdos são bons... oi?!?!
Comemos açúcar e sal a mais; tudo o que vem no pacote é processado e tudo o que é processado tem aditivos prejudiciais; comemos carne a mais, legumes e fruta a menos; comemos fast food só por isso mesmo, porque é fast e nós não temos tempo para nada; não nos dedicamos a fazer comida caseirinha, não praticamos o slow food como devíamos e acabamos por comprar comida industrial a mais; e o que damos às nossas crianças é tudo menos inofensivo e assim vai a coisa.
O meu filho só conhece as bolachas Oreos porque as vê comer aos amigos, mas come chocolate de vez em quando e sumos quando o rei-faz-anos, cereais dos miúdos só quando eu estou numa de prevaricar e é muito pouco... parece-me senso comum, parece óbvio a mais, caramba! Não ser refém da boa alimentação, prevaricar de vez em quando, mas alimentar-me convenientemente numa base regular. Uns não sabem comer e alimentar os seus, outros são escravos dos alimentos sãos e saudáveis, e não saímos daqui. Que falta de equilíbrio, uns a achar que Ice Tea é saúde, outros a comer alface de manhã à noite, lavada em Evian, sem sal e com azeite de oliveiras selvagens!
O fundamentalismo nunca me agradou, nem para ser super-saudável e quando morrer ter um cadáver cheio de saúde; nem para morrer atolado em gordura e ter um cadáver novo!!

Sem comentários:

Publicar um comentário